TELEMEDICINA

A telemedicina veio para ficar?

 

Legalmente a telemedicina veio para ficar e foi adotada devido a crise sanitária causada pela covid-19 no ano 2020.

Esse atendimento, muito discutido por médicos, pacientes e operadoras, tornou-se um dos principais meios de atendimento para suportar uma parte da demanda dos pacientes devido a crise sanitária e o isolamento causado pela pandemia de covid-19, obrigando as pessoas e empresas de serviços médicos a mudarem a forma de acesso aos cuidadosa saúde.

 

Mas a telemedicina é regulamentada?


Um ofício em 2020 publicado pela CFM (Conselho Federal de Medicina) abriu caminho para criação da portaria 467/2020 (Março), mas somente no dia 15 de Abril de 2020 foi estabelecida a Lei Federal 13.989 onde autoriza, por caráter emergencial, o uso de telemedicina.

 

Esse serviço vem sendo muito utilizado por pacientes e médicos, facilitando o atendimento de casos simples e evitando exposições em ambientes de risco (Pronto Atendimento / Pronto Socorro), sem contar que evita deslocamentos e o paciente pode fazer a consulta no conforto de sua casa.

 

Entre 2020 e 2021 foram realizados mais de 7,5 milhões de atendimentos, por mais de 52,2 mil médicos, via telemedicina.

Desse total aproximadamente 87% foram primeiras consultas, evitando idas desnecessárias ao Pronto Socorro.

Inclusive, há solicitações de exames e medicamentos, onde o médico envia pela plataforma da operadora de saúde ou então por aplicativo de mensagens instantâneas.

 

Você já acessou seu médico por telemedicina?

 

Conheça quais os principais canais e operadoras que oferecem o serviço.